Vitaminas e Minerais: onde mora o perigo?

Em busca do “corpo perfeito”, qualidade de vida, saúde e longevidade, muitas pessoas ficam em dúvida se precisam fazer uso, em seu dia a dia, de algum tipo de suplemento alimentar ou polivitamínico. De certa forma, é o mesmo mecanismo que move para a adoção de “dietas milagrosas”. Ou seja, transferência de responsabilidade com “soluções mágicas e práticas”.

As vitaminas e os minerais são uma parte vital de uma dieta saudável e são encontrados naturalmente nos alimentos e essa deve ser a via que devemos utilizar para suprir nossas necessidades nutricionais. Salvo em determinadas situações onde essas necessidades ficam aumentadas e, através de exames laboratoriais lança-se mão do uso. Exemplos: no início da gravidez, as mulheres precisam mais de ferro e ácido fólico; os vegetarianos rigorosos podem ter deficiência de vitamina B12, a qual só se obtém a partir de produtos animais; em casos de diagnóstico de anemia, usa-se a suplementação com ferro até que ocorra a normalização do mineral no organismo; atletas profissionais, com base em análises laboratoriais, têm perdas maiores de vitaminas e minerais, utiliza-se então um ou mais suplementos para repor essas perdas. Enfim, existem critérios científicos para a utilização de suplementos e grande parte das pessoas acha que a utilização dos mesmos pode substituir ou até ajudar, sem dano algum, a alimentação. Por outro lado, o consumo de grandes quantidades (megadoses) de suplementos de vitaminas e minerais sem supervisão médica e nutricional pode ter efeitos prejudiciais (tóxicos).

Hoje virou moda a utilização de algum tipo de suplementação, sem uma avaliação mais detalhada, prescrição e acompanhamento médico e de um nutricionista. É muito comum encontrarmos lojas  e farmácias repletas de polivitamínicos, de várias marcas e dosagens e, até mesmo, propagandas em vários canais de TV aberta, onde a pessoa que apresenta um programa é o mesmo que divulga esses produtos. Convenhamos, são necessários critério e bom senso!! Cada indivíduo é único e sendo único, deve ser tratado como tal, com respeito às suas particularidades e necessidades específicas.

Somente o nutricionista que avalia o valor nutricional de uma alimentação, analisando se as recomendações de diversos nutrientes estão sendo atingidas. Se não estiverem, o profissional sugere ajustes e modificações nos hábitos alimentares considerando estilo de vida, estado de saúde, antecedentes clínicos e familiares, atividade física e outros fatores. É preciso saber o que nosso corpo precisa para funcionar bem, em quais quantidades e onde naturalmente podemos encontrar, ou seja, o que devemos comer.

As quantidades recomendadas para cada um dos nutrientes não foram inventadas, são frutos de anos de estudos de cientistas e pesquisadores e antes de serem divulgadas no meio acadêmico, são julgadas pelo Food and Nutrition Board of the National Academy of Sciences, órgão de reconhecimento internacional e, uma vez estabelecidas, as recomendações são utilizadas como norteador para toda a população mundial.

Consumo incorreto

Os efeitos benéficos e os possíveis malefícios vão depender do tipo e da dosagem de mineral ou vitamina a ser suplementado. Muitas vitaminas e minerais são tóxicos ao organismo quando consumidos em grandes quantidades, acima das recomendações. Esses nutrientes podem se acumular no organismo, causando problemas hepáticos, renais, entre outros. Um estudo realizado por por pesquisadores de várias instituições liderados pelo cientista Jaakko Mursu, da Universidade de Kuopio, na Finlândia, e da Escola de Saúde Pública da Universidade de Minnesota, nos Estados Unidos, levaram os cientistas a concluir que se automedicar com vitaminas e suplementos sem necessidade traz sérios malefícios. Eles afirmaram que tomar multivitamínicos e as vitaminas B6 e ácido fólico (ou B9), ferro, magnésio, zinco e cobre implica em uma elevação do risco de morte em mulheres com mais de 55 anos. A explicação para os resultados é que a maioria desses compostos se torna nociva em quantidades elevadas. Isso aumenta as chances de reações que facilitam o desenvolvimento de doenças como câncer e problemas cardiovasculares. Os autores supõem que vitaminas e minerais produzam efeitos similares nas taxas de risco de mortalidade entre os homens, mas isso ainda não foi pesquisado. O trabalho foi publicado na última edição da revista científica americana “Archives of Internal Medicine”.

Nos anos, 90, contudo, descobriu-se o primeiro efeito negativo das tais pílulas milagrosas: aumentam as chances de câncer no pulmão. Agora, outros males estão sendo revelados: as vitaminas C e E, em excesso, atrapalham no reparo do DNA, o que pode comprometer a síntese de substâncias vitais para o corpo.

Aqueles que optarem pelo uso de suplementos devem utilizá-los em baixas doses, evitando a ingestão em excesso. Pouca evidência científica comprova malefícios com a ingestão de baixas doses de suplementos, porém, em altas doses, podem trazer grande toxicidade ao organismo.

Como vimos até o momento, nenhum medicamento deve ser tomado sem orientação médica, nem mesmo vitaminas ou minerais (estes também deverão ter orientação do nutricionista).

 Segue abaixo uma listagem de algumas vitaminas e minerais e seus respectivos excessos ao nosso organismo:

Vitamina A (retinol): O excesso de vitamina A pode ser tóxico, quando é tomada em única dose (intoxicação aguda) ou durante um período prolongado (intoxicação crônica), ocorrendo normalmente em decorrência do consumo de grandes doses (10 vezes maior que a necessidade recomendada) durante meses. Os sintomas são: dor de cabeça (cefaleia), sonolência, irritabilidade, vômitos, descamação da pele, aumento do baço e dos rins, espessamento ósseo, dores articulares, cabelo escasso e áspero, a queda parcial das sobrancelhas, as rachaduras labiais e a pele seca e áspera. As cefaleias intensas, a hipertensão intracraniana e a fraqueza generalizada são manifestações tardias. Quando uma mulher toma isotretinoína (um derivado da vitamina A utilizado no tratamento de problemas cutâneos) durante a gestação, o seu filho pode apresentar malformações congênitas.

O beta-caroteno, encontrado em vegetais de cores laranja (ex. cenouras, mamão, etc), é convertido lentamente em vitamina A no organismo e pode ser consumido em grandes quantidades sem causar intoxicação. O único efeito secundário observado é o surgimento de um tom amarelo-escuro (carotenose), nas palmas das mãos e nas plantas dos pés.

Ingestão Diária Recomendada para Adultos (IDR)= 600mcg

Niacina (ácido nicotínico / vit. B3): em doses superiores a 200 vezes ao recomendado é prescrita para controlar a concentração alta de gorduras (lipídeos) no sangue. Essas doses podem causar rubor intenso, prurido, lesão hepática, distúrbios cutâneos, gota, úlceras e redução da tolerância à glicose. (IDR) = 16mg

Vitamina B6: A administração de doses elevadas de vitamina B6 (500 a 3.000 vezes a quantidade diária recomendada – QDR) prescritas para o tratamento da síndrome do túnel do carpo ou da tensão pré-menstrual podem lesar gravemente os nervos, destruindo parte da medula espinhal, o que torna difícil a deambulação (andar, caminhar). (IDR) = 1,3mg

Vitamina C: As doses superiores a 1.000 miligramas por dia causam diarréia, litíase renal (nos indivíduos susceptíveis) e alterações do ciclo menstrual. Alguns indivíduos que interrompem abruptamente o consumo de doses altas apresentam o escorbuto de rebote (grave manifestação de carência de Vitamina C). (IDR) = 45mg

 Vitamina D: Os sintomas iniciais da intoxicação são falta de apetite, náuseas, vómitos, aumento da micção (urina), fraqueza, nervosismo, sede, ardor cutâneo, insuficiência renal, hipertensão arterial e depósitos de cálcio por todo o corpo, sobretudo nos rins, onde ele pode causar uma lesão permanente.  (IDR) = 5mcg

Vitamina E: Podem ser administradas aos recém-nascidos prematuros para reduzir o risco de retinopatia (lesões não inflamatórias da retina ocular), não parecem produzir qualquer efeito adverso significativo. Nos adultos, as doses elevadas produzem pouquíssimos efeitos adversos apreciáveis, exceto o aumento das necessidades de vitamina K, o qual pode causar hemorragia nos indivíduos que fazem uso de medicamentos anticoagulantes. (IDR)= 10mg

Ácido Fólico: Em doses de 100 vezes a QDR, ele pode aumentar a freqüência de crises convulsivas em indivíduos epilépticos e pode piorar a lesão neurológica nos indivíduos com deficiência de vitamina B12. (IDR) = 400mcg

Cálcio: Consumo excessivo de leite pode estar associado a câncer de próstata, ligado ao nível elevado de cálcio no sangue. Pessoas que consumiram mais de 2.000 mg de cálcio por dia, tiveram o dobro de chance de desenvolver câncer de próstata. Além disso, esse excesso pode causar pedras nos rins, síndrome álcalina do leite, insuficiência renal, elevadas concentrações de cálcio no sangue, perda do tónus intestinal, conduta anormal (psicose). (IDR) = 1000mg

Cobre: O consumo de quantidades relativamente pequenas de cobre livre pode provocar náusea e vômito, podendo também ocorrer depósitos de cobre no cérebro e lesões do fígado. (IDR) = 900mcg

Ferro: O excesso de ferro é tóxico e provoca vômito, diarreia, pigmentação da pele (apresenta uma coloração bronzeada), lesões no fígado (cirrose e até câncer) e lesão intestinal. O ferro pode acumular- se no corpo quando um indivíduo é tratado com quantidades excessivas ou por um tempo demasiadamente longoOs sintomas podem incluir diabetes, insuficiência cardíaca, artrite, impotência, infertilidade, hipotireoidismo, fadiga crônica e morte prematura.  (IDR) = 14mg

Flúor: fluorose (acumulação excessiva de flúor), manchas irregulares de cor branco-giz formam- se na superfície do esmalte dentário, podendo tornar-se amarelas ou castanhas e fazendo com que o esmalte pareça moteado., excrescências ósseas da coluna vertebral. (IDR) = 4mg

Iodo: A intoxicação pelo iodo é causada pelo consumo diário de quantidades muito grandes de iodo (400 vezes a QDR), algumas vezes como consequência do fato de viver próximo ao mar. O excesso de iodo pode produzir o bócio e, algumas vezes, o hipertireoidismo. (IDR) = 130mcg

Magnésio: Não há nenhuma evidência de efeitos adversos do consumo de magnésio naturalmente proveniente de alimentos. Os Efeitos adversos de magnésio que contém os suplementos podem incluir elevadas concentrações de magnésio no sangue, hipotensão arterial, insuficiência respiratória, ritmos cardíacos anormais. (IDR) = 260mg

Selênio: Podem ser decorrentes do uso de suplementos sem prescrição médica em doses de 5 a 50 miligramas por dia. Os sintomas são náusea, vômitos, queda do cabelo e das unhas, inflamação cutânea e possíveis alterações nervosas. (IDR) = 34mcg

Potássio:  elevadas concentrações de potássio no sangue, paralisia, alterações cardíacas. (IDR) = 2,5g

Zinco: Excesso o zinco pode provocar problemas, este é tóxico acima de determinados valores. Para doses de ingestão superiores a 2g ou mais, pode provocar sintomas de envenenamento, que incluem vômitos, febre, náuseas. Quando presente em quantidades elevadas, sabe-se que compete com outros minerais na absorção intestinal. (IDR) = 7mg

Quando as recomendações nutricionais, para cada nutriente, são definidas pelas comissões científicas, são também previstas algumas necessidades extras que consideram a resistência às infecções, manutenção e integridade da pele, alterações climáticas dentre outras. Sabe-se que em algumas doenças, alterações no metabolismo, estresse, excesso de bebidas alcoólicas, tabagismo, ocorre aumento das necessidades de alguns nutrientes, mas não se sabe de quanto precisamente. Nesses casos, algumas vezes são necessários exames laboratoriais específicos, acompanhamento com médico e ajustes na alimentação feito por um nutricionista.

O Ministério da Saúde considera suplemento, produtos que não ultrapassam 100% da Ingestão Alimentar Recomendada para determinado nutriente. Acima de 100%, deixa de ser suplemento e torna-se um medicamento. Sendo assim, a utilização da suplementação, por questões de segurança à saúde, deve ser precedida de avaliação nutricional e reeducação dos hábitos alimentares.

Nutricionista Bruna Passos

Fontes: http://www.nippobrasil.com.br/2.semanal.saude/422.shtml

http://www.nutricaoclinica.com.br/20050804102/nutricao-clinica-vitaminas/vitamina-c-revisao-da-aplicacao-clinica

http: // http://www.saudeesportiva.com.br

http://hypescience.com/cuidado-com-os-concentrados-de-vitaminas/

http://www.manualmerck.net/?id=161

http://www4.anvisa.gov.br/base/visadoc/CP/CP%5B8989-1-0%5D.PDF

About these ads

Sobre Bruna Di Chiara Passos

Nutricionista, apaixonada pela profissão que atende em consultório pacientes com variados tipos de objetivos: reeducação alimentar, perda e ganho de peso, nutrição para gestantes, acompanhamento para esportistas, dietas específicas, inclusive para patologias em geral. Formada pela UNIP de São José dos Campos/SP, com cursos de Extensão de Nutrição aplicada a Medicina Estética, Nutrição Materno Infantil, Aproveitamento Integral dos Alimentos, Dietas da Moda e Nutrição na atividade física e no emagrecimento. Além do atendimento em consultório, sou colaboradora da Revista para Diabéticos, editora Online e do site Semlactose, participei de algumas reportagens sobre saúde nos sites IG Ciência e Saúde e UOL Ciência e Saúde, e da revista ABRAMGE (Associação Brasileira de Medicina de Grupo), também sou colunista do Portal Educação. Este blog é de cunho informativo, para que as pessoas possam ficar ligadas sobre as novidades no ramo da Nutrição. Todos os seguidores são bem vindos e fiquem à vontade de participar. Espero que gostem!! “Os efeitos da presente orientação só serão efetivos quando associados a uma alimentação equilibrada e hábitos de vida saudável”.
Esse post foi publicado em Matérias e marcado , , , , , , . Guardar link permanente.

3 respostas para Vitaminas e Minerais: onde mora o perigo?

  1. Pedro Shizuo Hatta disse:

    Informações claras e convincente uma preciosidade para ter uma vida saudável.

  2. Pingback: Vitaminas e Minerais: onde mora o perigo? « Blog Saúde Vitalidade

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s